segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Querem barrar Monteiro Lobato em nossas escolas.

Recentemente o conselho nacional de educação publicou um parecer no diário oficial da união, nele o órgão sugere que o livro, “Caçadas de Pedrinho” (publicado em 1933), seja banido do currículo escolar brasileiro. A alegação é a seguinte; o livro possui um conteúdo fortemente racista. Sim, no livro há frases e passagens de conteúdo racista. Para os padrões de hoje pode-se afirmar até que o teor é extremamente racista.

Com o atual “politicamente correto” toda e qualquer frase na qual se tenha uma simples ilação à cor e raça pode ser qualificada como sendo racista e, portanto, abre-se uma janela para que seja toda a obra proibida. Esta política é perigosa, principalmente se levado em consideração o que aconteceu e acontece com outros povos que trilharam esse caminho. Um caminho no qual o povo se equilibra sobre o fio da navalha, uma linha muito tênue que não é salutar para o processo democrático, ainda incipiente em nosso país.

Mas Monteiro Lobato era racista e elitista como apregoam os historiadores? Pelos relatos da época, creio que sim. Em “O presidente Negro” ele expõe o que pensavam alguns pensadores do início de século. Há de se ressaltar que a grande maioria da população branca do Brasil também é racista. Se adotarmos o mesmo procedimento em relação a outros autores contemporâneos de Monteiro Lobato, haverá muitas proibições e nossos alunos terão seus direitos tolhidos, direito ao saber, direito de conhecerem um vasto universo literário. Sim, pois, todos nós temos esse direito. Precisamos conhecer para podermos ter o poder do discernimento.

Se o saudoso Mussum estivesse entre nós, talvez os guardiões do politicamente correto o proibissem de atuar ao lado de Didi, já que as brincadeiras em relação à cor de Mussum e à origem nordestina de Didi se sucediam, claro havia piadinhas em relação à condição sexual de Dedé, lembram-se. Passei a minha infância, adolescência e juventude apreciando as obras de Monteiro Lobato e me esbaldando com as peripécias dos Trapalhões. O mais engraçado de tudo isso é o fato de que eu não me tornei um racista preconceituoso. A própria bíblia seria barrada nas catequeses e escolas dominicais. Na bíblia a discriminação contra a mulher é gritante para os padrões atuais.

Não podemos medir o que foi escrito no passado pelo que é regra hoje, isso é impossível. É aconselhável a boa educação, de maneira apropriada, aos nossos jovens. O cerne da questão está na educação familiar, nos bons exemplos passados de pais para filhos. Com uma educação pautada no amor, carinho e respeito pelo próximo, nossos filhos e netos terão condições de diferenciar o certo do errado. Mas a escola tem a obrigação de mostrar-lhes o que há de melhor na literatura mundial.

O ministro Fernando Haddad, felizmente, determinou uma ampla discussão sobre o tema e sugeriu apenas um alerta sobre o conteúdo racista. Devo admitir que o ministro Fernando Haddad subiu uns pontinhos no conceito. Portanto, sem talibans em nossas vidas, big brother só na TV. Para quem ainda não leu Monteiro Lobato, fica uma sugestão para 2011 e tire suas próprias conclusões. Façamos como o ministro, chega de paranóia.

20 comentários:

  1. Todo conteudo racista deve ser banido das escolas.

    ResponderExcluir
  2. A ditadura do politicamente correto é cega e estúpida. Não consegue ver relações entre as coisas. É o mesmo pensamento imbecil que determina cotas para negros em universidades, comprometendo ainda mais a qualidade do pessoal que adentra os seus portões, e criando a nefasta possibilidade de se comentar, à vista de um profissional negro: "Deve ter-se formado pelo sistema de cotas", com isso diminuindo as chances destes profissionais, ainda que os mesmos tenham-se declarado brancos (é, pode fazer isso, sim).
    Como no Brasil, só é negro quem quer, os que vão se beneficiar disso são os que não entrariam na faculdade de outro modo, seja qual for a cor.
    É que tem uma coisinha que estas políticas burras esquecem: inteligência (e disposição para aprender) não se avalia pela cor da pele.
    A situação do livro de Monteiro Lobato pode ser resolvida com um prefácio contextualizando-a historicamente.
    Banir livros é uma idéia abraçada por todo e qualquer regime ditatorial do século passado: Hitler, Mussolini, Stálin, Mao, fizeram isso.
    Esperançosamente fomos além de sua concepção do ser humano como um bando de abelhas cegas, que precisam de um líder forte para conseguir ter uma identidade na massa.

    Como diz o (negro? Pardo?) genial Caetano Veloso:

    "Os livros são objetos transcendentes, mas podemos amá-los do amor táctil que votamos aos maços de cigarro... domá-los, cultivá-los em aquários, em estantes, gaiolas, em fogueiras, ou lança-los pra fora das janelas, talvez isso nos livre de lançarmo-nos..."

    Alexandre Costa e Silva

    ResponderExcluir
  3. Devemos ser comedidos em nossas ações, pois atitudes insensatas podem trazer sérias consequências, não lembro ao certo, mas já fiz a leitura do livro em dias bem primordiais, entretanto não considero-me um ser racista, bem sabemos que os livros instruem, mas não vejo uma influência tão perniciosa em tal conteúdo, acredito que o racismo em sí encontra-se já nas entranhas familiares, não serão as leituras de Lobato que farão alguém ser maior ou menor em grau racista, considero um absurdo e retrocesso na educação brasileira, imaginemos agora tomarmos tais atitudes em casos outros, digamos que devamos banir todo o racismo, assim teríamos que sair degolando pessoas; no meu modo de pensar, os conteúdos racistas devem ser estudados, analisados e descartados do nosso ser, mas não o devemos banir do conhecimento, o conhecimento e estudo de tais literaturas nos amadurece, se bem que alguns possam ser enveredados ao negativo, mas só aos que o são (racistas), pois do contrário, apenas seremos guiados por terceiros; analiso como um princípio ditatorial, era uma vez e abaixo a ditadura, somos seres evolutivos e um país em crescimento, não podemos agir dessa forma!
    Atenciosamente,
    Rangel de Jesus

    ResponderExcluir
  4. Muitos ainda acham que algumas partes da Bíblia apóiam a discriminação contra as mulheres. Será que essa opinião tem fundamento?
    Como as Escrituras Hebraicas encaram as mulheres
    “Terás desejo ardente de teu esposo, e ele te dominará.” (Gênesis 3:16) Os críticos indicam isso como um julgamento da parte de Deus contra Eva e uma aprovação divina do domínio do homem sobre a mulher. No entanto, em vez de declarar o propósito de Deus, essa afirmação mostra claramente as tristes conseqüências do pecado e da rejeição à soberania divina. O abuso contra as mulheres é resultado direto da imperfeição humana, não da vontade de Deus. De fato, em muitas culturas as esposas são dominadas pelos maridos, geralmente de forma muito rude. Mas essa não era a intenção de Deus.
    Tanto Adão como Eva foram feitos à imagem de Deus. Além disso, receberam dele as mesmas instruções para serem fecundos, encher a Terra e sujeitá-la. Deviam trabalhar juntos, como uma equipe. (Gênesis 1:27, 28) É claro que, naquele tempo, nenhum dos dois dominava o outro cruelmente. Gênesis 1:31 diz: “Deus viu tudo o que tinha feito, e eis que era muito bom.”
    Em alguns casos, os relatos bíblicos não indicam qual o conceito de Deus sobre determinado assunto. Podem ser apenas narrativa histórica. O relato sobre Ló oferecer suas duas filhas aos sodomitas não menciona se aquilo era moralmente aceitável e qual era a opinião de Deus sobre o assunto. — Gênesis 19:6-8.
    O fato é que Deus odeia todas as formas de exploração e abuso. (Êxodo 22:22; Deuteronômio 27:19; Isaías 10:1, 2) A Lei mosaica condenava o estupro e a prostituição. (Levítico 19:29; Deuteronômio 22:23-29) O adultério era proibido, e a punição para as duas pessoas envolvidas era a morte. (Levítico 20:10) Em vez de discriminar as mulheres, a Lei as dignificava e protegia contra a exploração comum nas nações vizinhas. A esposa judia capaz era uma pessoa muito respeitada e valorizada. (Provérbios 31:10, 28-30) O fracasso dos israelitas em seguir as leis de Deus na questão de mostrar respeito pelas mulheres era culpa deles, não a vontade de Deus. (Deuteronômio 32:5) Por fim, Deus julgou e puniu toda a nação por sua flagrante desobediência.
    Sujeição significa discriminação?
    Qualquer sociedade só funciona bem quando há ordem, o que exige administração de autoridade. O contrário disso é o caos. “Deus não é Deus de desordem, mas de paz.” — 1 Coríntios 14:33.
    O apóstolo Paulo descreve o princípio da chefia na família: “A cabeça de todo homem é o Cristo; por sua vez, a cabeça da mulher é o homem; por sua vez, a cabeça do Cristo é Deus.” (1 Coríntios 11:3) Toda pessoa, exceto Deus, está sujeita a alguma autoridade. Será que por Jesus ter um cabeça significa que ele é discriminado? Claro que não! O fato de os homens terem sido biblicamente designados para tomar a dianteira na congregação e na família não quer dizer que as mulheres estão sendo discriminadas. Para prosperar, tanto a família como a congregação precisam de homens e mulheres que desempenhem seus respectivos papéis com amor e respeito. — Efésios 5:21-25, 28, 29, 33.
    Jesus sempre tratava as mulheres com respeito. Ele se recusava a seguir as tradições e as regras discriminatórias ensinadas pelos fariseus. Conversava com mulheres que não eram judias. (Mateus 15:22-28; João 4:7-9) Ele ensinava as mulheres. (Lucas 10:38-42) Protegia-as de ser abandonadas. (Marcos 10:11, 12) Talvez a atitude mais revolucionária para a época de Jesus foi ele ter aceito mulheres no seu círculo de amigos íntimos. (Lucas 8:1-3) Como a personificação perfeita de todas as qualidades divinas, Jesus mostrou que tanto o homem como a mulher têm o mesmo valor aos olhos de Deus. De fato, entre os primeiros cristãos, homens e mulheres receberam a dádiva gratuita do espírito santo. (Atos 2:1-4, 17, 18) Para os ungidos, que têm a perspectiva de servir como reis e sacerdotes com Cristo, não haverá nenhuma distinção de sexo quando forem ressuscitados para a vida celestial. (Gálatas 3:28) Portanto, Jeová, o autor da Bíblia, NÃO discrimina as mulheres!

    ResponderExcluir
  5. Podem colocar mo lugar um manual de "como fazer" escrito por Hugo Chavez,Fidel Castro ou che guevara,então.

    Que nojo.

    ResponderExcluir
  6. Palhaçada, simplesmente isso.

    Logo não poderemos mais chamar a rosa de rosa, porque algumas não são rosas.

    Votem na esquerda, votem nos que tolhem seus direitos, é nisso que dá.

    ResponderExcluir
  7. Monteiro Lobato era um eugenista, que pregava que as pessoas que possuissem algum tipo de deficiência deviam ser esterelizadas.

    ResponderExcluir
  8. Banir monteiro lobato e colocar oq? Livro gay?
    Racismo sempre existiu e vai continuar existindo. Afinal se alguns não gostam de mim, pq tenho q gostar de todos?

    E claro, um dia os negros vão escravizar os brancos, e começar essa porcaria tudo denovo.

    ResponderExcluir
  9. vamos ensinar estereoptios racistas p criançada, é assim q se constrói uma nação?!!?!!...

    ResponderExcluir
  10. Pelo atual hábito de leitura presente nas escolas públicas isso não fará diferença.

    ResponderExcluir
  11. Gostei do Post! Já pensou em divulgar também no www.plik.com.br ?

    ResponderExcluir
  12. Não acho necessário banir Monteiro Lobato.

    Mas é ridiculo ver pessoas reivindicando o direito de ser racista. Olha a estupidez escrito por um anônimo: "Afinal se alguns não gostam de mim, pq tenho q gostar de todos?"

    Comentários como esses sim são a prova que a educação precisa melhorar no nosso país. Não conseguem compreender a diferença entre direitos civis e gostos pessoais.

    ResponderExcluir
  13. Monteiro Lobato é racista! Sem contar que é um ortodoxo tosco que criticava qualquer manifestação artística que estivesse acima da capacidade intelectual de compreensão dele.
    Penso que existem leituras mais significaivas para nossas crianças do que os livros desse autor.

    ResponderExcluir
  14. Porque é tão difícil coexistir?

    Apenas por causa da cor da pele...

    Eu não consigo entender!

    Cresci em um ambiente preconceituoso,me forçavam a discriminar pela cor da pele e nunca consegui!nunca aceitei!nunca entendi!

    ONE

    ResponderExcluir
  15. luiz disse...
    Pelo atual hábito de leitura presente nas escolas públicas isso não fará diferença.

    Falo tudo HUSAHUASHUSAHAUHSUAHSUSHAUSHAUSH

    ResponderExcluir
  16. A NAÇÃO BRASILEIRA tem sido vítima de uma inteligente estratégia para a construção de um pensamento hegemônico, batizado de "politicamente correto”. A partir da escola e da mídia, ela invade nossos lares, buscando nos intimidar e nos acovardar, rotulando de retrógrados e maçantes todos aqueles que, ao não se permitirem a contaminação, insistem em se contrapor ao processo.
    Essa estratégia, que aprisiona e inibe sentimentos e manifestações, tem o poder de transformar heróis em bandidos, orgulho em vergonha, triunfo em derrota! Ela tem obrigado à escolha cuidadosa de palavras e meios para descrever a VERDADE, não por imposição dos bons costumes ou da convivência e da harmonia social, mas para prevenir as retaliações dos encarregados de ridicularizá-la e reprimi-la.
    É PRECISO REAGIR, COM AS ARMAS DA LIBERDADE E DA VERDADE, enquanto há tempo, para criar OBSTÁCULOS à conveniência e à submissão totalitária à uma MENTIRA que nos quer aprisionar a partir das mentes e das consciências, criando cidadãos e instituições abúlicos, parasitas e COVARDES!!!

    PARABÉNS PELO EXCELENTE POST! ABRAÇOS!

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pelo post, muito interessante e provocou em nós; como mostram os comentários, uma reflexão x discussão. Não resolveremos aqui a polêmica gerada pelo post, nem tão pouco retirando-se um livro acabaremos com o racismo. A questão do racismo estará sempre presente dentro ou fora das escolas, com ou sem livro.

    Interessante seria matermos a discussão com os jovens em todos os lugares: na escola, na família, na sociedade...

    # O outro comentário foi retirado devido a um erro, o que poderia causar entendimento contrário.

    Um abraço.

    Sergio Nunes

    ResponderExcluir
  18. Parabéns!!! Excelente Post. O comentário do Alexandre Costa e Silva também é muito bom. Min. Haddad, parabéns pelo bom senso.

    ResponderExcluir
  19. Muitos comentários anônimo, por que?

    No meu Blog.http://hum-ntula.blogspot.com no poster de nº 14, faço um Dissertação sobre Monteiro Lobato. Foi um dos mártires na descoberta do petróleo no Brasil.
    Desde a sua época já era perseguido, isto que está acontecendo de o acusarem de racista é fichinha, nem depois de morto o pobre tem sossego.
    O Sítio do pica-pau amarelo, deu a ele cadeia, ver na história.
    O primeiro poço de petroleo na Bahia, levou seu nome. Antes de morrer disse:- Antes divesse escrito para adultos.,mas parece que estes tambem não iam entender.
    Vou pedir permissão do autor deste artigo (vou citar a fonte) e vou escrever um artigo sobre este tema.
    (favor me autorizar)--Humdes@gmail.com.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  20. Não concordo em eliminar as leituras do saudoso Monteiro Lobato . Como professora de alfabetização tenho como referencia de leitor o caro escritor que aos 7 anos já lia e escrevia tudo que via pela frente.Foi altamente critico com a sociedade da época e através da sua personagem Emília podia falar o que pensava."...quando eu não sabia ler eu era uma criaturinha feliz, mas depois que aprendi a ler eu comecei a ler os jornais e comecei a ficar triste, comecei a ver como é a realidade de um mundo. tantas guerras, tantas perseguições, tantos crimes ..." Fantástico !!! Nesta fala a criança percebe a importância da leitura dos jornais como meio de comunicação, desenvolve o senso crítico.Entre outros personagens cada qual uma característica .
    Não podemos desconsiderar alguém que afirmou: "UM PAÍS SE FAZ COM HOMENS E LIVROS !"
    NÃO devemos eliminar suas leituras e SIM fazê-la com inferência !
    Abraços.
    Luciene/ SP.

    ResponderExcluir

Os políticos são o espelho da sociedade.

      O nosso problema não está no fato de o país ser unitário ou federado, de ele ser república ou monarquia, de ele ser presidenciali...